_________________________

Cultura + Antibiograma com MIC

Amostra: qualquer material biológico (secreções, abscessos, urina, fezes, biopsia aspirativa, sangue, biopsia tecidual, lavado traqueal…).

Recipiente:
1. Amostras coletadas em swab estéril podem ser acondicionadas em tubo contendo meio de transporte adequado (ex. Meio de Stuart).
2. Amostras líquidas podem ser enviadas em seringa, coletor universal ou tubos sem anticoagulante/ativador de coágulo (obrigatoriamente recipiente estéril).
3. Biopsias teciduais ou fezes, em frasco coletor universal estéril, sem formol.
4. Amostra para hemocultura ou cultura anaeróbica em frasco/tubo com meio específico. Solicitar ao laboratório antes da coleta.

Conservação: a conservação pode variar, de acordo com a bactéria presente na amostra. Em geral, amostras líquidas ou sem meios conservantes refrigeradas (2 a 8 °C) até 48h. Em temperatura ambiente no caso de amostras em meio conservante (ex. Stuart), hemocultura, cultura anaeróbica ou coprocultura até 48h.

Indicações: identificação das bactérias e sua suscetibilidade aos antimicrobianos. Para os antibióticos com possibilidade de estipular a MIC, serão indicados resultados quantitativos com a concentração inibitória mínima.

Observações:

1. Todos os materiais coletados de maneira inadequada estarão sujeitos à contaminação, portanto o máximo de cuidado deve ser tomado, utilizando técnica asséptica e material esterilizado durante a coleta e armazenagem da amostra.

2. É importante que a amostra seja coletada antes da administração de medicamentos, principalmente antibióticos.

3. Para coleta de secreção auricular, vaginal, ocular, uterina, fístula ou abscesso aberto, pode-se utilizar swab estéril, fazendo rigorosa assepsia da região externa (no caso de secreção auricular, vaginal ou uterina) e coletando material o mais diretamente possível da lesão. O swab deve ser colocado em meio para conservação, para evitar ressecamento da amostra.

4. Quando se tratar de punção através da pele, o local da punção deve passar por rigorosa assepsia. Para passar a amostra para o tubo estéril, deve-se fazer uma assepsia da tampa de borracha antes de perfurá-la com a agulha para introduzir a amostra. Não abrir a tampa.

5. A amostra também pode ser enviada dentro da seringa utilizada para a coleta, mantendo a agulha acoplada e devidamente tampada.

6. Enviar imediatamente ao laboratório, para garantir a viabilidade da amostra.

7. Solicitar meio de transporte adequado antes da coleta, nos casos necessários.



Fale Conosco whatsapp